quinta-feira, 12 de novembro de 2009

CREDO DA ORAÇÃO


CREDO DA ORAÇÃO

Algumas pessoas oram muito, outras oram pouco e ainda existem pessoas que não oram nada. Mas, esta não é a questão no momento. O que queremos destacar nesse breve texto é uma síntese do credo da oração da cristandade. Mas, ele pode ser ampliado, pois não foi dogmatizado nem se encontra aprisionado numa caixinha teológica ou numa redoma institucionalizada, contudo, uma coisa é certa cremos de fato nestes elementos de fé que enumeraremos a seguir: Cremos no único Deus vivo e verdadeiro, Criador dos céus e da terra e tudo que há, mantenedor de toda a sua criação, provedor, bondoso, misericordioso, compassivo, benigno e galardoador de todo aquele que o busca. Cremos que conquanto a sua mui grandeza, Ele, no entanto ouve e responde toda oração que se fizer em o nome do seu Filho, Jesus cristo, de acordo é óbvio, com a sua soberana e sábia vontade. Cremos que além de orar a Deus o Pai, em o nome do Deus o Filho, somos assistidos pelo Deus Espírito Santo, porque não sabemos orar como convém. Cremos que a oração deve ser dirigida a Deus o Pai, em o nome de Jesus Cristo, o Deus o Filho, o único mediador entre Deus e os homens. Cremos que é preciso orar com fé e de modo perseverante, sem esmorecer. Cremos de todo nosso coração que Deus é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos conforme o seu poder que opera em nós. Cremos que as mãos do SENHOR não estão encolhidas ou amarradas para que não possa abençoar, nem surdo ou fechados os seus ouvidos para que não possa ouvir. Mas cremos de igual forma, que Deus estabelece condições para responder a oração do seu povo, portanto é preciso orar, buscar, se humilhar perante a face de Deus e se converter dos nossos maus caminhos. Cremos que Deus age graciosamente em favor do seu povo em todos os aspectos, mas cremos que ele o faz por meio da oração, não que esteja condicionado a isso, mas o escolheu fazer por meio da instrumentalidade da mesma. Cremos que o SENHOR opera miraculosamente por meio das leis naturais, mas cremos também que Ele atua sobre elas. Cremos no Deus transcendente e imanente, o Todo-poderoso, e, por isso oramos. Cremos no Deus de longe, mas também de perto. Portanto, se você comunga desta mesma convicção, então não deixe de orar. Ore sempre ao Deus dos céus. Ore com perseverança ao Deus Criador, mas o faça em o nome de Cristo. Faça como a mulher cananéia que não desistiu até contemplar o triunfo da fé (Mt 15. 21-28). Contudo é preciso dizer que a vitória só virá se os teus olhos estiverem fitos na pessoa certa, ou seja, em Jesus Cristo, o eterno Filho de Deus. Se ele for o objeto da tua fé, então você está no caminho certo. Sendo assim, ore sempre sem esmorecer, pois embora pareça demorado, Deus fará justiça aos seus escolhidos que a Ele clamam dia e noite (Lc 18. 1-8). Que Deus nos ajude a orar como convém! Que Deus faça de nós homens e mulheres de oração! Que Deus responda as nossas súplicas! Que o Eterno Deus levante geração para buscá-lo! Que experimentemos os maravilhosos feitos de Deus em resposta as nossas petições. Senhor Deus volte o teu rosto para nós! Deus encha-nos com o teu Santo Espírito! Deus, nós imploramos o teu favor em o nome de Jesus, teu Filho amado, nosso Senhor e Salvador. Amém!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

ESPERANÇA, A ÂNCORA DA ALMA DO CRISTÃO

Esperança, A Âncora da Alma do Cristão
A esperança é um dos assuntos mais empolgantes das Escrituras. Ela é um dos temas mais abundantes e consoladores das Sagradas Escrituras. Aliás, "tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança" (Rm 15. 4). A Bíblia ensina que felizes são aqueles "cuja esperança está no Senhor, seu Deus, que fez os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e mantém para sempre a sua fidelidade" (Sl 146. 6). Contudo, há muitas pessoas infelizes e desesperançosas no mundo, cujas esperanças foram arrancadas pelo guindaste da decepção e frustração. Outras tiveram as esperanças soterradas pelas avalanches das tribulações. Existem aquelas que as esperanças foram amputadas de forma drástica pela guilhotina das crises repentinas da vida. Porém, todas elas, sem distinção, não tinham uma base sólida. No entanto, existe um povo, a igreja de Cristo que tem uma viva esperança. Somos o povo da expectativa, que crê na possibilidade do sobrenatural a qualquer momento, e, que vive na perspectiva do reino de glória. A esperança é a riqueza daqueles que nada têm, mas que possuem tudo. Ela é comparada a uma âncora de um navio. O escritor aos Hebreus destaca que o cristão tem uma esperança cujo fundamento é a promessa e o juramento do próprio Deus. Vejamos à luz de Hebreus (Hb 6. 18, 19) duas marcas da esperança do cristão:
1. A esperança do cristão é segura - Observem o que diz a Escritura: "...a fim de lançar mão da esperança proposta; a qual temos por ancora da alma, segura ..." (Hb 6. 18, 19). Essa é a única vez que a palavra âncora é usada como metáfora da esperança. A função da âncora é promover estabilidade à embarcação. Não importa as circunstâncias, a âncora deve permanecer fixa no fundo do mar. Contudo, precisamos notar algumas distinções existentes entre a âncora de um navio e a âncora da alma: enquanto a âncora se estende para as profundezas abissais do oceano, a esperança como âncora da alma se estende para a eternidade. Ela se assemelha à âncora que é lançada ao fundo do oceano, mas que possui um enorme e resistente cabo que está conectado na eternidade. Ela não é lançada para baixo, mas para o alto. Seu foco não é o fundo do mar, mas o céu de glória, onde habita o Senhor Jesus Cristo. A esperança do cristão não é um assentimento intelectual, mas uma confiança sólida, segura e inabalável. Ela é segura, pois possui um fundamento sólido.
2. A esperança do cristão é firme - Além da esperança do cristão ser segura, ela também é firme. Vejam o que afirma a Escritura "...a fim de lançar mão da esperança proposta; a qual temos por ancora da alma, segura e firme ..." (Hb 6. 18, 19). A esperança do cristão é segura e firme, porque está amarrada nas fiéis promessas do Deus imutável e penetra além do véu. Ela oferece ao crente apoio seguro. Nossa esperança está apoiada sobre a promessa, juramento e na pessoa de Deus, mas ela também aguarda a coisa esperada. A âncora é lançada no fundo do mar onde o solo é firme, no entanto, nossa esperança sobe para o céu, onde o reino é eterno. A nossa esperança é segura e firme, porque o seu arrimo é o Deus Vivo. Ela não é colocada na criatura, mas no Criador. Deus deu aos herdeiros da promessa duas coisas imutáveis: promessa e juramento, para que os filhos de Abraão tivessem uma esperança firme e segura . O Senhor jurou pelo seu próprio nome. Por isso, o cristão deve exultar e ser pleno na certeza da esperança. Visto que na esperança fomos salvos. Sendo assim, aguardamos o que não vemos com paciência, segurança e firmeza. O Deus da igreja é o Deus da esperança. A esperança não pode ser roubada. Ela é a herança do crente. Portanto, lancemos mão da esperança proposta; "a qual temos por âncora da alma, segura e firme e que penetra além do véu, onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque" (Hb 6. 19, 20). A âncora segura e firme da alma do cristão é a esperança. Confie no Deus da promessa e do juramento. Ele é fiel e imutável. Deus empenhorou o seu próprio nome e é impossível que ele minta. Se você crer em Deus e na pessoa do seu único Filho, Jesus Cristo, então, a sua âncora se estende para além do véu, onde o sumo sacerdote eterno entrou. Que Deus nos ajude a lançar mão da esperança proposta, a qual temos por âncora da alma segura e firme. Amém!
Rev. Fábio Henrique de Jesus Caetano