quinta-feira, 30 de abril de 2015

CRISTO, VOCÊ E A OBEDIÊNCIA.



Direto ao ponto: obedecer, por quê? Obedecer a quem? Todos têm um senhor a quem serve. Aquele que está sem Cristo vive debaixo de um governo. Quem ainda não nasceu de novo obedece ao comando do mundo, atende à voz do príncipe da potestade do ar, fica debaixo da égide do espírito que agora atua na vida do filho da desobediência. Leia o texto a seguir para comprovar a verdade supra (Ef 2. 1, 2).Na verdade, tal pessoa anda segundo as inclinações da carne e faz a vontade da carne (Ef. 2. 3).Aquele que vive conforme o comando de seus desejos, de suas ambições pecaminosas, com toda certeza vive de forma desregrada e alheio à vontade de Deus. Portanto, enquanto não recebe nova vida, é um servo escravizado pelo mundo, pela carne e pelo diabo. Além disso, o homem que não tem Cristo como seu Senhor por certo não é um ser humano livre, pois é escravo do pecado. Além do mais, o homem sem Cristo é inimigo de Deus.

Todavia, a situação pintada acima muda quando Deus implanta no homem o princípio da nova vida. Imediatamente, o homem sai de uma condição perdida para um status de nobreza. Ele, que antes era inimigo, agora se torna amigo de Deus. O texto a seguir é esclarecedor: ”Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer” (Jo 15.13-15). Porém, algo importante precisa ser ressaltado. Aqueles que são amigos de Cristo recebem uma condição demonstrativa. Veja que o Senhor Jesus enfatiza: “Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando” (Jo 15.14).A obediência é uma demonstração comprovativa que mostra de modo inequívoco a sua relação com Cristo.

Agora, antes de finalizar, precisamos entender que obediência não é sinônimo de perfeição. Talvez você tenha tido dificuldade de fazer distinção entre tais conceitos, porém, uma vez esclarecidos, não podemos nos esquivar de nossa responsabilidade na matéria tratada. Talvez você tenha achado difícil obedecer àquilo que o Senhor ordena. Entretanto, uma marca daquele que é discípulo de Cristo é a obediência. Seja obediente ao Senhor. Cristo deu a sua vida pelos seus amigos. Que privilégio! Em Cristo Jesus aconteceu aquilo que ensina a Escritura: “A intimidade do SENHOR é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança” (Sl 25.14). Logo, urge a necessidade de responder à seguinte pergunta: você professa que é de Cristo e em sua relação com Ele existe alguma evidência de obediência que comprove que você é amigo d’Ele? Conversem sobre as suas dificuldades e fraquezas e orem uns pelos outros. O Senhor exige obediência de seus amigos, mas também concede graça e poder para obedecê-lo.

Para refletir: “Se você quer realmente entender em que um homem acredita, não ouça o que ele diz, mas observe o que ele faz” (Maurice Blondel).

terça-feira, 28 de abril de 2015

CRISTO, VOCÊ E A ESCRITURA.

Direto ao ponto: como você lida coma Bíblia? Para você a Bíblia é apenas um livro como os outros? A Escritura Sagrada tem autoridade sobre a sua vida? Bem, a sociedade contemporânea tem muitas vozes que delineiam a conduta das pessoas. Nela ecoa as vozes do pluralismo e relativismo, além de outras. Todavia, o eco das vozes que tem sido acatado é oriundo de uma fonte corrompida, isto é, vem do coração humano (Jr 17.9). No mundo pós-moderno a opinião de todos deve ser ouvida, assim como respeitada. Os discursos são variados, as opiniões são múltiplas e as ideias diversificadas, porém não há verdade absoluta para as pessoas. O que reza é: cada qual tema sua verdade. Com isso, o adágio popular “a voz do povo é a voz Deus” ganha força, porém o crente jamais deve acatar tal princípio. Para o cristão, entretanto, tudo deve ser norteado pelo que diz a Escritura.

Aqui destacamos o primeiro aspecto importante para o cristão. Certa feita Cristo disse: “Examinais as Escrituras, porque julgai ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” (Jo 5.39). Uma pessoa que entrou num relacionamento pactual só tem uma fonte para conhecer a Cristo, a Bíblia. Na Escritura encontramos tudo aquilo que precisamos saber acerca de Cristo e de sua obra. Sabemos quem Cristo é, mas também porque veio ao mundo. Sabemos sobre a sua natureza, mas também aquilo que fez por mim. Na Escritura descubro o que um homem declarou com lágrimas nos olhos: “Algo maravilhoso acaba de me acontecer: sei agora como nunca que o que Jesus fez foi suficiente” (Brennan Manning). Portanto, na Palavra do Senhor recebemos a informação que traz consolo e segurança para a nossa alma e coração, porque temos o testemunho que Cristo “se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrífico de si mesmo, o pecado” (Hb 9.26).

Outro aspecto importante é que um cristão genuíno sempre considerará o conselho dado pela Palavra de Deus, pois reconhece a autoridade da Escritura sobre sua vida. R. C. Sproul conta que um amigo a quem não via há muito tempo disse que não acreditava mais na infalibilidade da Bíblia. Então, Sproul perguntou: “No que você ainda acredita?” O amigo respondeu: “Ainda creio em Jesus como meu Salvador e Senhor”. Sproul perguntou novamente: “De que modo Jesus exerce seu senhorio sobre sua vida?”. E o amigo, perplexo, perguntou: “Oque você quer dizer?”. E Sproul comentou: “Se Jesus é seu Senhor, então, isso significa que Ele exerce autoridade sobre você. Como você sabe como Ele quer que você viva se não é pela Bíblia?”.

Discuta o caso contado pelo pastor Sproul. Essa situação é ilustrativa, Bem como pedagógica, porque muitos professam que Cristo é Salvador e Senhor de suas vidas, mas não acatam as instruções da Escritura. Quando você precisa tomar decisões, a Bíblia exerce alguma influência nelas? Suas escolhas demonstram o seu comprometimento com a Palavra de Deus? Deus fez uma constatação muito triste por meio do profeta Oseias: “O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento” (Os 4.6). Quanto você conhece? O conhecimento que você tem da Bíblia tem sido praticado?


Para reflexão: “É impossível manter os valores cristãos em foco se não lemos a Escritura [...]” (Brennan Manning).

sábado, 25 de abril de 2015

Cristo, você e a salvação.

Partilho com vocês parte daquilo que falei no ACAMPAMENTO DA UMP – 2015, realizado no SÍTIO CANAÃ - MARECHAL FLORIANO, 18 A 21 DE ABRIL. O TEMA: CRISTO, O QUE ELE TEM A VER COMIGO?

Cristo, você e a salvação

Direto ao ponto: Você já é uma pessoa salva? Outra coisa: salva de quê? Existe outro meio pelo qual você pode ser salvo? O teólogo americano R. C. Sproul, em seu livro “Salvo de quê?”, destaca que temos aqui a pergunta mais importante que todas as pessoas deveriam responder. Além disso, para ele, primeiro, você pode não ser salvo e reconhecer esse fato; segundo, você pode não ser salvo, mas pensar que é salvo; terceiro, talvez você seja salvo, mas não entende muito claramente o que isso significa; quarto, pode ser que você seja salvo e tenha segurança e compreensão acerca da sua salvação. As possíveis situações pontuadas por Sproul podem ser que coloquem você numa dessas situações.
Agora, para que haja esclarecimento, assim como compreensão Desta matéria, é vital que você entenda a importância de Cristo para a sua salvação. Para isso, precisamos recorrer ao ensino bíblico, o qual mostra a real condição e situação do homem. Quando nossos primeiros pais desobedeceram a Deus, os laços da comunhão foram partidos. Comisso, o pecado entrou “no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Rm5.12). A quebra do pacto colocou todos os seres humanos debaixo da sentença da morte. Desde então, os seres humanos ficaram impossibilitados de resolverem a situação diante de Deus. Porém, o Senhor não desistiu do homem, pois, depois da desobediência, fez uma promessa gloriosa, a qual teria o seu cumprimento na pessoa de seu Filho, Jesus Cristo. Você jamais poderia salvar a si mesmo. Todavia, Deus tomou a iniciativa de enviar seu Filho para realizar a nossa salvação.
Agora, leia atentamente o testemunho da Escritura: “Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim que recebêssemos a adoção de filhos. E porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus” (Gl 4.3-7). Deus fez aquilo que você jamais poderia fazer. Você precisa entender uma coisa: ou você é salvo, ou você ainda está perdido. De acordo como parecer de Sproul, acerca dos quatro tipos de pessoas que podem existir dentro da igreja, com qual você se identifica? Por favor, justifique a sua resposta para o grupo. No que tange ao assunto: você gostaria de conversar com o pastor sobre as suas inquietações, se porventura existirem?

Para reflexão: “Meu passado está redimido, meu presente faz sentido, meu futuro está assegurado” (Brenna Mannig).